Eu não vou perder, e você?

Eu não vou perder, e você?

Neste fim de semana acontecerá, segundo a NASA, a “melhor chuva de meteoros” do ano de 2012. E também será possível observar alguns planetas, os mais brilhantes do sistema solar, incluindo Júpiter e Vênus.

O melhor momento para observar é após às 22 horas. Basta deitar no chão e olhar para o céu em um lugar pouco iluminado! 🙂

Nem as estrelas mais brilhantes vivem sozinhas S2

Foi o que constatou um estudo recente do ESO. O Very Large Telescope mostrou que a maioria das estrelas brilhantes e de massa elevada, responsáveis pela evolução das galáxias, não vivem sozinhas.

Quase três quartos destas estrelas têm uma companheira próxima (contestando antigas suposições). Só que a maior parte desses pares interage de forma pouco agradável: uma estrela pode “sugar” a massa de outra, e essa transferência de massa geralmente ocorre de forma violenta.

Segundo estudo de Selma de Mink, “se duas estrelas orbitam muito próximas uma da outra, poderão eventualmente fundir-se. Mas mesmo que isso não aconteça, uma das estrelas normalmente retira matéria da superfície da outra”.

Portanto, esses pares de estrelas podem, sim, se fundirem, formando uma única estrela, “até que a morte as separe”.

Foto Artística

Fonte: ESO

Messier 9

Messier 9 é o nome desse cluster que contém multidões de estrelas brilhantes em uma nuvem esférica, a aproximadamente 25.000 anos-luz da Terra e próximo ao centro da Via Láctea.

Esta é a imagem de mais alta resolução já fotografada pelo telescópio Hubble e, como podemos observar, há estrelas de diferentes cores.

Os pontos mais azuis indicam que as estrelas são mais quentes, enquanto as estrelas avermelhadas são mais frias. (Ouvi essa explicação a primeira vez que estive no Planetário de São Paulo. Antes, pensava o contrário em relação às cores e temperatura delas).

Esse aglomerado possui algumas das estrelas mais antigas da galáxia, aproximadamente duas vezes mais antigas que o Sol, mas constituídas de matérias diferentes. Elas não possuem quantidade significativa de oxigênio, carbono e ferro, pois tais elementos tornaram-se presente em quantidades maiores conforme o Universo foi envelhecendo.

Achei a foto fantástica! *-*

(Clique na imagem para ampliar)

Time-lapse

Um dos vídeos em time-lapse mais fantásticos que eu conheço: ele nos dá a visão das estrelas enquanto a Terra gira. Incrível como as alterações que parecem sutis aos nossos olhos, como o movimento da Terra, do Sol ou das estrelas, tornam-se evidentes com o time-lapse.

Para quem não conhece, essa técnica é bem simples: basta uma câmera que suporte um aparelho temporizador para tirar várias fotos, durante um longo período de tempo (que podem ser muitas horas ou até dias).

Estas fotos são colocadas em um filme, onde cada imagem é mostrada por uma fração de segundo, dando a impressão de que tudo se move muito rápido e de que o tempo parece saltar.

Ainda falando em time-lapse, encontrei um belo vídeo produzido em outubro do ano passado pela NASA, com fotografias tiradas pela tripulação a bordo da Estação Espacial Internacional.

Ele mostra a Terra vista de cima (a uma altitude aproximada de 350 km) durante a noite, e nós podemos observar as luzes das metrópoles e as auroras boreais.

Earth | Time Lapse View from Space, Fly Over | NASA, ISS from Michael König on Vimeo.