Eu não vou perder, e você?

Eu não vou perder, e você?

Neste fim de semana acontecerá, segundo a NASA, a “melhor chuva de meteoros” do ano de 2012. E também será possível observar alguns planetas, os mais brilhantes do sistema solar, incluindo Júpiter e Vênus.

O melhor momento para observar é após às 22 horas. Basta deitar no chão e olhar para o céu em um lugar pouco iluminado! 🙂

Anúncios

E as Constelações?

Desde criança eu gostava de ficar horas olhando para o céu, todas as noites. No interior, ele é muito mais belo. Mas foi desde a noite de ano novo de 2001 que conheci as constelações: quando meu primo e eu sentamos na escada do jardim e começamos a divagar sobre as estrelas que enxergávamos, mas que poderiam nem estar mais lá.

Foi quando ele (nerd que sempre foi) começou a me mostrar algumas das constelações – aquelas que a estação e o céu de São Bernardo do Campo nos permitiam ver. Eu achei fascinante e passei as semanas seguintes tentando identificá-las, com um “mapa do céu” e uma lanterna na mão.

Um pouco mais

Os astrônomos da antiguidade imaginaram formar figuras de pessoas, animais e objetos com as estrelas (assim como, vez em quando, fazemos com as nuvens). E essas estrelas formavam as constelações que, segundo eles, poderiam ajudar a identificar as estações do ano e auxiliar os agricultores a plantar e colher no tempo certo.

Com o tempo (mas muuuito tempo), as constelações também mudam. Cada estrela do céu faz parte de uma constelação e, como sabemos, estrelas nascem e morrem.

Segundo a União Astronômica Internacional, existem 88 constelações, que auxiliam os astrônomos na busca por planetas, cometas e outros eventos espaciais. E há quem se oriente por elas, embora não seja tão fácil localizá-las no céu.

Entre as mais populares, aquelas que são conhecidas como as “estrelas do zodíaco”, que são:

  • Capricórnio
  • Aquário
  • Peixes
  • Áries
  • Touro
  • Gêmeos
  • Câncer
  • Leão
  • Virgem
  • Libra
  • Escorpião
  • Ophiuchus
  • Sagitário

A lista completa, com as 88, você pode conferir aqui.

Fonte: Space.com

As misteriosas Nuvens Noctilucentes

Você já deve ter ouvido falar sobre as Nuvens Noctilucentes (brinks!). Eu também não conhecia esse fenômeno até a semana passada. Mas como achei um belo espetáculo natural, resolvi compartilhar.

Nuvens Noctilucentes (ou com “brilho noturno”) surgem no céu em algumas noites e em outras desaparecem por completo. Elas se formam tão alto (a uma altura entre 75 mil e 85 mil quilômetros, numa camada atmosférica chamada mesosfera) que continuam a receber a luz do Sol mesmo após o entardecer.

Suas cores podem variar: algumas aparecem em tons de azul, outras são prateadas ou até mesmo alaranjadas, mesmo sendo noite.

Ao contrário das nuvens comuns, que se formam com vapor de água condensado, estas são formadas com cristais puros de gelo e também com gelo em grãos de poeira – poeira que pode ser originária de asteroides ou liberada por vulcões.

O fenômeno vem acontecendo com maior frequência nas últimas décadas e, segundo alguns cientistas, pode ser consequência do aumento da concentração de gases estufa em altitudes elevadas.

Abaixo, nuvens noctilucentes brancas/prateadas, fotografadas na Estônia:

E para encerrar, suas variações de cores:

Aplicativos para quem gosta de Astronomia

Para os amantes da tecnologia e simpatizantes da Astronomia, fica a dica: encontrei três aplicativos bem interessantes para Android. (Não pesquisei se estão disponíveis também para iPhone, mas acredito que devem estar).

O primeiro é o Google Sky Map: com ele você fica de olho nas estrelas, descobre o nome delas e ainda pode encontrar constelações.

Utilizando o sistema de geolocalização, o aplicativo mostra onde você está e localização dos astros ao seu redor. E você consegue encontrar as estrelas, constelações e planetas, basta escolher o que deseja visualizar e digitar um nome na busca.

Se você adora ficar olhando o céu e admirando as estrelas, vai curtir o aplicativo!

Baixe aqui!

Outro aplicativo que achei simples e interessante é o Solar System. Com ele você encontra imagens e informações básicas sobre os principais planetas do Sistema Solar. É só escolher o astro de sua preferência para visualizar fotos e conferir os detalhes. Ótimo para quem estuda Ciências ou para os mais leigos – mas curiosos – em Astronomia.

Baixe aqui!

Já o Galaxy Wire – Space News é perfeito para os fãs da exploração espacial: é alimentado com informações da NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço), e com ele você fica por dentro das últimas e melhores notícias publicadas pela agência americana, com vídeos, eventos e fotografias.

Baixe aqui!

Existem diversos aplicativos de Astronomia para baixar em PCs também, como o Stellarium, que teve uma nova versão lançada recentemente em comemoração aos 4 séculos desde as primeiras observações telescópicas do céu por Galileu Galilei. Caso queira viajar entre constelações, planetas, nebulosas e aglomerados pela tela do seu computador, vale a pena conhecer. É tudo em 3D e a simulação é rica em detalhes!

Evolution of the Moon

Que tal conhecer a história da Lua?

A Evolução da Lua (Evolution of the Moon) mostra os 4,5 bilhões de anos da Lua – desde seu “nascimento” até os dias de hoje – em um vídeo com menos de 3 minutos.

As crateras que vemos hoje são resultado de corpos celestes que atingiram o solo da Lua com força total (diferente da Terra, ela não possui atmosfera para frear os meteoros que se dirigem a ela). Grande parte delas foi formada por uma chuva de meteoros ocorrida há aproximadamente 3,8 bilhões de anos.

A NASA (agência espacial) fez o vídeo para comemorar os 1000 dias que a sonda espacial Lunar Reconnaissance Orbiter (Orbitador de Reconhecimento Lunar – LRO) completa na próxima segunda-feira (19 de março).


Fonte: Super Interessante

Time-lapse

Um dos vídeos em time-lapse mais fantásticos que eu conheço: ele nos dá a visão das estrelas enquanto a Terra gira. Incrível como as alterações que parecem sutis aos nossos olhos, como o movimento da Terra, do Sol ou das estrelas, tornam-se evidentes com o time-lapse.

Para quem não conhece, essa técnica é bem simples: basta uma câmera que suporte um aparelho temporizador para tirar várias fotos, durante um longo período de tempo (que podem ser muitas horas ou até dias).

Estas fotos são colocadas em um filme, onde cada imagem é mostrada por uma fração de segundo, dando a impressão de que tudo se move muito rápido e de que o tempo parece saltar.

Ainda falando em time-lapse, encontrei um belo vídeo produzido em outubro do ano passado pela NASA, com fotografias tiradas pela tripulação a bordo da Estação Espacial Internacional.

Ele mostra a Terra vista de cima (a uma altitude aproximada de 350 km) durante a noite, e nós podemos observar as luzes das metrópoles e as auroras boreais.

Earth | Time Lapse View from Space, Fly Over | NASA, ISS from Michael König on Vimeo.