R.I.P. Neil

E no último dia 25 faleceu o primeiro homem a pisar na Lua: Neil Alden Armstrong, com 85 anos. O norte-americano foi o comandante da Apollo 11, missão que chegou (?) ao satélite natural da Terra em 20 de julho de 1969.

“Um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade.” Assim como sua frase nunca foi esquecida, Neil será um ícone eternamente lembrado.

Imagem: Complexo Geek

 

Anúncios

Sobre Saturno e o meu fim de semana

Um telescópio Meade, uma velha câmera, um iPad (munido de bússola) e uma série de aplicativos indicando as constelações, planetas e nebulosas visíveis no sábado à noite: assim foi o fim de semana na casa do meu primo, Gabriel.

Nossa real intenção era assistir à chuva de meteoros, mas o que aproveitamos mesmo foi o lindo céu que fazia em São Bernardo do Campo e a posição favorável dos planetas mais brilhantes naquele dia. E a estrela do dia – ou melhor, o planeta da noite – não poderia ser ninguém menos que ele, the lord of the rings, Saturno! Imaginá-lo já é fascinante: Saturno é o meu planeta preferido (ok, depois da Terra), e o mais belo e misterioso do Sistema Solar.

Vê-lo através do telescópio foi sensacional e único. Você olha por uma lente minúscula – porém potente – e lá está ele, exibindo seus anéis, a mais de um bilhão de quilômetros do nosso planeta.

Tentamos tirar algumas fotos, mas foi difícil. Sabemos que no Google há milhares de fotos maravilhosas de Saturno, e sabemos que a nossa está sem foco, com péssima qualidade. Mas sabemos também que é real, e foi a gente que tirou! Hehehe

Eu não vou perder, e você?

Eu não vou perder, e você?

Neste fim de semana acontecerá, segundo a NASA, a “melhor chuva de meteoros” do ano de 2012. E também será possível observar alguns planetas, os mais brilhantes do sistema solar, incluindo Júpiter e Vênus.

O melhor momento para observar é após às 22 horas. Basta deitar no chão e olhar para o céu em um lugar pouco iluminado! 🙂

Nem as estrelas mais brilhantes vivem sozinhas S2

Foi o que constatou um estudo recente do ESO. O Very Large Telescope mostrou que a maioria das estrelas brilhantes e de massa elevada, responsáveis pela evolução das galáxias, não vivem sozinhas.

Quase três quartos destas estrelas têm uma companheira próxima (contestando antigas suposições). Só que a maior parte desses pares interage de forma pouco agradável: uma estrela pode “sugar” a massa de outra, e essa transferência de massa geralmente ocorre de forma violenta.

Segundo estudo de Selma de Mink, “se duas estrelas orbitam muito próximas uma da outra, poderão eventualmente fundir-se. Mas mesmo que isso não aconteça, uma das estrelas normalmente retira matéria da superfície da outra”.

Portanto, esses pares de estrelas podem, sim, se fundirem, formando uma única estrela, “até que a morte as separe”.

Foto Artística

Fonte: ESO