Nebulosa de Borboleta

Bela, de forma delicada, semelhante a uma borboleta… Quem vê aparente serenidade não imagina que a temperatura dessa nebulosa é 35 vezes maior que a da superfície do Sol, superando 200 mil graus celsius.

Ela fica na constelação de Escorpião, a aproximadamente 4 mil anos-luz da Terra, e seu nome científico é NGC 6302. Esses raios brilhantes são uma corrente de radiação ultravioleta, desencadeada pelo gás super aquecido da nebulosa.

Parece muito louco: mas segundo pesquisadores, as “asas” podem conter carbonatos, o que significa uma evidência de água, em sua forma líquida, no passado.

É fascinante admirá-la. A uma distância de anos-luz, claro.

(Crédito: Nasa, Esa e A. Zijistra – UMIST, Manchester, UK)

E as Constelações?

Desde criança eu gostava de ficar horas olhando para o céu, todas as noites. No interior, ele é muito mais belo. Mas foi desde a noite de ano novo de 2001 que conheci as constelações: quando meu primo e eu sentamos na escada do jardim e começamos a divagar sobre as estrelas que enxergávamos, mas que poderiam nem estar mais lá.

Foi quando ele (nerd que sempre foi) começou a me mostrar algumas das constelações – aquelas que a estação e o céu de São Bernardo do Campo nos permitiam ver. Eu achei fascinante e passei as semanas seguintes tentando identificá-las, com um “mapa do céu” e uma lanterna na mão.

Um pouco mais

Os astrônomos da antiguidade imaginaram formar figuras de pessoas, animais e objetos com as estrelas (assim como, vez em quando, fazemos com as nuvens). E essas estrelas formavam as constelações que, segundo eles, poderiam ajudar a identificar as estações do ano e auxiliar os agricultores a plantar e colher no tempo certo.

Com o tempo (mas muuuito tempo), as constelações também mudam. Cada estrela do céu faz parte de uma constelação e, como sabemos, estrelas nascem e morrem.

Segundo a União Astronômica Internacional, existem 88 constelações, que auxiliam os astrônomos na busca por planetas, cometas e outros eventos espaciais. E há quem se oriente por elas, embora não seja tão fácil localizá-las no céu.

Entre as mais populares, aquelas que são conhecidas como as “estrelas do zodíaco”, que são:

  • Capricórnio
  • Aquário
  • Peixes
  • Áries
  • Touro
  • Gêmeos
  • Câncer
  • Leão
  • Virgem
  • Libra
  • Escorpião
  • Ophiuchus
  • Sagitário

A lista completa, com as 88, você pode conferir aqui.

Fonte: Space.com

A Super Lua

No último fim de semana o mundo parou para olhar (e fotografar) a Lua. O nosso satélite natural ficou maior e mais brilhante na noite de sábado e madrugada de domingo, atingindo seu perigeu – ponto em que fica mais próximo da Terra – às 00h35 (horário de Brasília).

Segundo a NASA, a Lua ficou 30% mais brilhante e aproximadamente 14% maior. A última “Super Lua” aconteceu em 2011, mas não atingia tais proporções há 18 anos.

Abaixo, uma seleção de fotos – as mais bonitas – da Super Lua pelo mundo. E obviamente, não coloquei a foto que tirei com a câmera de 3 megapixels do meu celular:

Cairo

Dubai

Jordânia

São Petesburgo

Rio de Janeiro

Arizona

Romênia

Toronto

Paris

Colorado

Fontes: Globo.com, Terra e NASA