A rosa do espaço

Há alguns dias falei sobre a minha nebulosa preferida, a Carina, e hoje falo um pouquinho sobre a bela Roseta, também conhecida como Caldwell 49.

Como o próprio nome diz, a Nebulosa Roseta assemelha-se a uma rosa e pode ser vista com um pequeno telescópio, apontando-o na direção da constelação de Monoceros, o Unicórnio.

Ela está localizada a aproximadamente 5 mil anos-luz de distância da Terra, possui pouco mais de 130 anos-luz de diâmetro de ponta a ponta e quase 10 mil massas solares em todo seu sistema.

As “pétalas” desta rosa são berçários de estrelas, organizadas de forma encantadora e esculpidas pelos ventos e pela radiação emitida pelo aglomerado de jovens estrelas ao centro da nebulosa.

O maior telescópio do mundo

O maior telescópio do mundo vem aí! Ou melhor, ficará pronto somente daqui a oito anos. Estou falando do Telescópio Gigante Magalhães (GMT, na sigla em inglês).

Ele está sendo construído na Universidade do Arizona, nos EUA, e será instalado no topo da montanha Las Campanas, no norte do Chile.

O telescópio Magalhães é maior que qualquer outro já existente. Graças a ele, os cientistas poderão obter imagens mais nítidas dos planetas que orbitam ao redor de estrelas, das galáxias, dos buracos negros e da natureza da matéria escura que permeia o Universo.

E eu espero que daqui a oito anos eu tenha dinheiro suficiente para poder conhecê-lo! Hahaha

Messier 9

Messier 9 é o nome desse cluster que contém multidões de estrelas brilhantes em uma nuvem esférica, a aproximadamente 25.000 anos-luz da Terra e próximo ao centro da Via Láctea.

Esta é a imagem de mais alta resolução já fotografada pelo telescópio Hubble e, como podemos observar, há estrelas de diferentes cores.

Os pontos mais azuis indicam que as estrelas são mais quentes, enquanto as estrelas avermelhadas são mais frias. (Ouvi essa explicação a primeira vez que estive no Planetário de São Paulo. Antes, pensava o contrário em relação às cores e temperatura delas).

Esse aglomerado possui algumas das estrelas mais antigas da galáxia, aproximadamente duas vezes mais antigas que o Sol, mas constituídas de matérias diferentes. Elas não possuem quantidade significativa de oxigênio, carbono e ferro, pois tais elementos tornaram-se presente em quantidades maiores conforme o Universo foi envelhecendo.

Achei a foto fantástica! *-*

(Clique na imagem para ampliar)

Um fato surpreendente sobre o Universo

“Qual é o fato mais surpreendente que você pode compartilhar conosco sobre o Universo?”

Esta foi uma das perguntas feitas a Neil deGrasse Tyson em uma entrevista para a TIME, conceituada revista norte-americana. Sua resposta surpreendeu a muitos, e em um vídeo de apenas 10 minutos você também pode se surpreender e se encantar com uma visão mágica sobre nós e o Universo.

Neil deGrasse Tyson é um astrônomo americano, autor de diversos livros populares sobre Astronomia. Inclusive, Neil Tyson já participou (no papel dele mesmo) de um episódio da minha série favorita: The Big Bang Theory. Mas “ui!”, popular mesmo, ele ficou quando criaram um meme com sua imagem!

Agora vamos ao que interessa: o belíssimo vídeo no qual Neil fala sobre o fato mais surpreendente do Universo, e explica de forma bem simples porque o “Universo está em nós”. Atenção especial para a música. 🙂

(clique em “cc” caso queira traduzir o vídeo)

Angry Birds Space

Amanhã, dia 22, estará disponível uma nova versão de Angry Birds, o game mais viciante dos últimos tempos: o Angry Birds Space!

O mais interessante é que a Rovio contou com a colaboração da NASA, agência espacial norte-americana, para lançar o jogo que apresenta conceitos de exploração espacial.

No total serão 60 níveis, novos pássaros e poderes diferentes. E para passar de nível será preciso considerar a gravidade no espaço – desde a falta de gravidade aos poços gravitacionais. Taí uma ótima forma para se divertir e aprender!

Abaixo, um vídeo do astronauta Don Pettit, da Estação Espacial Internacional, oficializando o lançamento de Angry Birds Space para o dia 22:

Para PC, baixe aqui!

E agora uma notícia fresca: A National Geographic lançou um livro com dicas e informações sobre o game espacial: “Angry Birds Space: A Furious Flight Into the Final Frontier”.

O livro chegou aos EUA nesta terça-feira (20), custando 14 dólares. Ele apresenta informações sobre estrelas, galáxias, planetas e luas. #EuQuero

As misteriosas Nuvens Noctilucentes

Você já deve ter ouvido falar sobre as Nuvens Noctilucentes (brinks!). Eu também não conhecia esse fenômeno até a semana passada. Mas como achei um belo espetáculo natural, resolvi compartilhar.

Nuvens Noctilucentes (ou com “brilho noturno”) surgem no céu em algumas noites e em outras desaparecem por completo. Elas se formam tão alto (a uma altura entre 75 mil e 85 mil quilômetros, numa camada atmosférica chamada mesosfera) que continuam a receber a luz do Sol mesmo após o entardecer.

Suas cores podem variar: algumas aparecem em tons de azul, outras são prateadas ou até mesmo alaranjadas, mesmo sendo noite.

Ao contrário das nuvens comuns, que se formam com vapor de água condensado, estas são formadas com cristais puros de gelo e também com gelo em grãos de poeira – poeira que pode ser originária de asteroides ou liberada por vulcões.

O fenômeno vem acontecendo com maior frequência nas últimas décadas e, segundo alguns cientistas, pode ser consequência do aumento da concentração de gases estufa em altitudes elevadas.

Abaixo, nuvens noctilucentes brancas/prateadas, fotografadas na Estônia:

E para encerrar, suas variações de cores:

Aplicativos para quem gosta de Astronomia

Para os amantes da tecnologia e simpatizantes da Astronomia, fica a dica: encontrei três aplicativos bem interessantes para Android. (Não pesquisei se estão disponíveis também para iPhone, mas acredito que devem estar).

O primeiro é o Google Sky Map: com ele você fica de olho nas estrelas, descobre o nome delas e ainda pode encontrar constelações.

Utilizando o sistema de geolocalização, o aplicativo mostra onde você está e localização dos astros ao seu redor. E você consegue encontrar as estrelas, constelações e planetas, basta escolher o que deseja visualizar e digitar um nome na busca.

Se você adora ficar olhando o céu e admirando as estrelas, vai curtir o aplicativo!

Baixe aqui!

Outro aplicativo que achei simples e interessante é o Solar System. Com ele você encontra imagens e informações básicas sobre os principais planetas do Sistema Solar. É só escolher o astro de sua preferência para visualizar fotos e conferir os detalhes. Ótimo para quem estuda Ciências ou para os mais leigos – mas curiosos – em Astronomia.

Baixe aqui!

Já o Galaxy Wire – Space News é perfeito para os fãs da exploração espacial: é alimentado com informações da NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço), e com ele você fica por dentro das últimas e melhores notícias publicadas pela agência americana, com vídeos, eventos e fotografias.

Baixe aqui!

Existem diversos aplicativos de Astronomia para baixar em PCs também, como o Stellarium, que teve uma nova versão lançada recentemente em comemoração aos 4 séculos desde as primeiras observações telescópicas do céu por Galileu Galilei. Caso queira viajar entre constelações, planetas, nebulosas e aglomerados pela tela do seu computador, vale a pena conhecer. É tudo em 3D e a simulação é rica em detalhes!

Nebulosa Carina

Nesta semana o blog Ciência Diária, do Estadão, publicou uma lista com as mais bonitas nebulosas já fotografadas. E entre elas, a minha favorita: a NGC 3372, conhecida também como a Nebulosa Carina. (Ok, agora você supõe o porquê dela ser a minha preferida :))

Uma breve introdução: nebulosas são nuvens de poeira que ficam no espaço interestelar e estão relacionadas ao ciclo de evolução estelar. São berçários de estrelas.

Não são grandes o suficiente para serem consideradas galáxias, nem tão pequenas para serem meros sistemas estelares.

E são fascinantes!

Existem vários tipos de nebulosas, mas pretendo explicá-los mais adiante. Enquanto isso, aprecie as imagens mais detalhadas já feitas da Nebulosa Carina, que fica cerca de 7500 anos-luz da Terra, na constelação de Carina:

Evolution of the Moon

Que tal conhecer a história da Lua?

A Evolução da Lua (Evolution of the Moon) mostra os 4,5 bilhões de anos da Lua – desde seu “nascimento” até os dias de hoje – em um vídeo com menos de 3 minutos.

As crateras que vemos hoje são resultado de corpos celestes que atingiram o solo da Lua com força total (diferente da Terra, ela não possui atmosfera para frear os meteoros que se dirigem a ela). Grande parte delas foi formada por uma chuva de meteoros ocorrida há aproximadamente 3,8 bilhões de anos.

A NASA (agência espacial) fez o vídeo para comemorar os 1000 dias que a sonda espacial Lunar Reconnaissance Orbiter (Orbitador de Reconhecimento Lunar – LRO) completa na próxima segunda-feira (19 de março).


Fonte: Super Interessante